Highslide for Wordpress Plugin

Paróquia
São José
Arquidiocese de Campinas

Rua 24 de Maio, 477 — Vila Industrial — Campinas, SP — Tel.: (19) 3272.5353

Artigos e reflexões › 06/01/2014

Mensagem do Papa Francisco

Em sua primeira mensagem de 2014, no Dia Mundial da Paz, o Papa Francisco trata de um tema importante: “Fraternidade, fundamento e caminho da paz”. O texto é fruto de um zelo apostólico que desenha um horizonte luminoso para a humanidade, em busca de rumos novos para a história. A partir de preocupações pastorais, e balizado por sensibilidade missionária, o Papa Francisco argumenta sobre a importância fundamental da fraternidade como condição insubstituível para a construção da paz. Resgata e indica o anseio irreprimível pela fraternidade que se hospeda no coração de cada homem e de cada mulher. Um anseio que, em razão de desgastes e de dinâmicas na contramão da solidariedade – como os cenários de violência e corrupção – fica sepultado no mais recôndito dos corações. E nessa condição, impede que cada pessoa seja instrumento da paz pela força do amor fraterno.

Por sua constituição própria, o coração humano possui um dinamismo que conduz ao caminho da comunhão, superando o sentido inaceitável de ver o outro como concorrente ou inimigo. Imprescindível e prioritário é recuperar a fraternidade como dimensão essencial de cada pessoa, cultivando cotidianamente o exercício que reforça, em cada um, o sentido relacional que define o ser humano. Assim, desenvolve-se a capacidade de tratar cada pessoa como verdadeiro irmão e irmã. Esse exercício, o Papa sublinha, se faz primeiramente no seio da família, graças, sobretudo, às funções responsáveis e complementares de cada um dos seus membros, particularmente do pai e da mãe.

Na mensagem, o Papa Francisco afirma categoricamente que “a família é a fonte de toda fraternidade, sendo, por isso mesmo, também o fundamento e o caminho primário para a paz, já que, por vocação, deveria contagiar o mundo com seu amor”. Esse entendimento é um convite irrecusável a cada membro de cada família, sobretudo para o pai e a mãe, a pensar muito seriamente em seu papel, seu modo de conduzir a vida em família. Não se pode querer construir a paz sem compreender e sem se comprometer com o próprio núcleo familiar. Cada família tem um papel decisivo na configuração da fraternidade universal. Todos precisam investir nesse núcleo celular, convencidos de que daí vem uma força notável, decisiva na formação da consciência relacional que é condição para se alcançar a paz.

O Papa Francisco cita Bento XVI que, em certa oportunidade, lembrou que a globalização torna cada um vizinho do outro sem, necessariamente, converter essa proximidade em sentimentos fraternos. Há uma permanente luta a ser travada contra ideologias que reforçam o individualismo, egocentrismo e o consumismo materialista, que debilitam laços sociais e alimentam a mentalidade do descartável. Essas ideologias conduzem ao desprezo e abandono dos mais fracos, daqueles que, nessa distorcida visão de mundo, “são considerados como inúteis”.

É urgente, portanto, multiplicar, pela célula familiar, experiências – pequenas, grandes, simples, cotidianas – de práticas que permitam a aprendizagem e a criação do gosto por uma ética que capacite cada pessoa a produzir e a manter vínculos. Sem essa prioridade, nem mesmo com outras ações, projetos e programas, não se poderá desenhar um cenário de paz. As lamentações aumentarão, os absurdos hediondos de todo tipo continuarão a acontecer, o medo vai empurrar todo mundo cada vez mais para dentro de guetos de segregação, desconfiança e preconceitos. Comprometida estará, cada vez mais, a fraternidade universal. Não se alcançará um nível razoável de solidariedade, com força para mudar o que faz parte de uma “ladainha” interminável de reclamações, necessidades e reinvindicações.

Esse exercício de se construir vínculos pode começar por uma interrogação que deve interpelar a consciência de cada um – aquela pergunta de Deus a Caim, querendo saber de Abel: “Onde está teu irmão?” Uma pergunta que, respondida, reforça a convicção que salvará o mundo e fará dele um lugar de paz. “Somos todos irmãos”, ensina a mensagem do Papa Francisco.

Por Dom Walmor Oliveira de Azevedo - Arcebispo metropolitano de Belo Horizonte

Deixe uma resposta


Horários das Missas VEJA +

Terça a sexta: 7h30 Sábado: 17h00 Domingo: 10h30 e 19h00

Liturgia Diária

Evangelho: Lucas 24,13-35

Santo: São Jorge

Publicações VEJA +
Enquete
Qual a área de sua vida que necessita da ressurreição nesta Páscoa?
Ver o resultado